sexta-feira, 2 de julho de 2010

Uma folha caiu

Você já viu conscientemente uma folha cair?
Na semana passada,estava no parque Trianon, na avenida Paulista, olhando para uma árvore onde as folhas caiam de uma forma tão delicada, tão suave, que parecia um balé das folhas com o ar envolta, esse ato tinha tanta perfeição que fiquei simplesmente contemplando o acontecimento. Ali percebi, como a natureza e suave, delicada, actua com tanta soltura, sem permitisse se apegar as coisas, nesse caso, a folha cai e não tenta se segurar por todos os meios do árvore, simplesmente cai, agradece e sorri. Isto me fez pensar que a pesar de tudo, eu também pertenço a essa natureza e, como eu sou?, também actuo com soltura, delicadeza e suavidade? As vezes, fico olhando as pessoas das cidades grandes, até eu mesma é parece que essa naturalidade se perdeu, parece que essa soltura, essa delicadeza, essa suavidade sumiu, e só se tem a pressa, a caminhada rápida e rígida, o olhar endurecido tal qual o concreto dos grandes edifícios e o asfalto das nossas grandes cidades...e é triste. Nestas cidades como a grande São Paulo, praticamente não sinto o refugio da nossa mãe natureza, porque quando estou perto dela, eu a sinto quente, amorosa, suave, viva, ao contrario quando estou muito tempo entre concreto sinto apatia, morte, frio.

Mais como fazer para sentir a natureza mais pertinho de mim, já que não posso ir tão seguido a praia, o montanha, um rio, um lago? A resposta e simples, algumas dicas que resultam bem e que tenho umas plantas no apartamento que ajudam muito, caminho aos domingos ou quando eu posso num parque perto da minha casa, e me alimento de alimentos naturais o quanto eu puder, varias vezes por dia, ou seja, uma maça, uma pêra, umas frutas, verduras, nozes, etc, e assim, posso sentir de novo a alegria de viver e de viver com saúde, porque, ela quer, com certeza, sempre o melhor para mim.

Namastê